Processando...
  • Jornal do Comércio Porto Alegre - (06/10/2017)
  • Jornal O Globo - (10/06/2017)
  • Mundorama - (20/03/2017)
  • Os Paradoxos da Revolução Russa: Ascensão e queda do socialismo soviético (1917-1991)

    Autor:  Paulo Fagundes Visentini

    Categoria: Autoria Nacional

    Edição: 1ª Edição

    Número de páginas: 176

    ISBN: 978-85-508-0059-2

    De: R$49,90  
    Por: R$44,91
    -10%

    Sobre o Livro

    Novas teses sobre o stalinismo, as guerras e a queda da URSS.

    Cem anos após a eclosão da Revolução Soviética e vinte e cinco depois da dissolução da URSS e do fim do socialismo soviético, ainda carecemos de conhecimento básico e de análises históricas mais objetivas. Não se pode simplesmente apagar um longo período histórico, nem deixar de buscar sua compreensão.

    O fato de haver sido derrotada, não diminui seu enorme impacto histórico e político mundiais, que já foi julgado por muitos, mas é compreendido por poucos, em todos os seus imensos paradoxos. O século XX teve na Revolução Soviética o seu eixo aglutinador e a ela estão, direta ou indiretamente, associados os grandes eventos e contradições.

    Essa obra, de grande erudição história e ousadia interpretativa, tem um texto acessível e traz novas interpretações (baseadas em nova documentação), que buscam explicar os chocantes paradoxos que marcaram a Revolução Russa de 1917. Ela foi a mais impactante da história por seu alcance mundial e duração (74 anos), deixou sua marca em todo o século XX e construiu o primeiro Estado socialista, a URSS. Transformou uma imensa nação primitiva numa superpotência, marcando a política global e abrindo caminho para outros países socialistas, que em seu apogeu (1983) eram 32 nações, com um terço da população mundial. Sem dúvida, a Revolução Russa e o regime soviético foram marcados por paradoxos ainda não suficientemente analisados com isenção e objetividade um século depois. E são esses paradoxos que, mais do que explorar de forma sensacionalista, esse livro busca a analisar.

    “A União Soviética não existe mais. Como alguns gostam de colocar: ‘É história’, ou seja, ‘Esqueçam tudo isso’. [Mas] a era soviética ainda é história recente. Assim, a URSS [mesmo] como ‘passado’ é necessária no presente pelo simples motivo de que é impossível descartar a história. E a URSS continua sendo um sistema insatisfatoriamente compreendido”.
                                                                       
                                                          Moshe Lewin, O Século Soviético.

     

    Newsletter

    Sobre o(s) Autor(es)

    Paulo Faundes Visentini - Professor Titular de Relações Internacionais da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Pós-doutorado em Relações Internacionais pela London School of Economics (1997), Doutor em História Econômica pela Universidade de São Paulo (1993), Mestre em Ciência Política pela UFRGS (1983), Bacharel e Licenciado em História pela UFRGS (1980). Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Estudos Estratégicos Internacionais FCE/UFRGS (2010 aos dias de hoje). Diretor do Instituto Latino-Americano de Estudos Avançados da UFRGS (1998-2002) e Secretário de Relações Internacionais da Reitoria da UFRGS (2004-2008).

    Professor Visitante no NUPRI/USP, na Universidade de Leiden e Pesquisador no International Institute for Asian Studies e no Centro de Estudos Africanos (Leiden Univ, Holanda). Pesquisador do Núcleo Brasileiro de Estratégia e Relações Internacionais/NERINT e Coordenador do Centro Brasileiro de Estudos Africanos - CEBRAFRICA. Editor de AUSTRAL: Revista Brasileira de Estratégia e Relações Internacionais. Especialidade: História Mundial Contemporânea, Relações Internacionais Contemporâneas e Política Externa Brasileira. Autor de inúmeras obras sobre relações internacionais, história e estudos internacionais contemporêneos.

    Conheça Também